terça-feira, 27 de novembro de 2012

Texto para reunião de pais


sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Projeto Boas Maneiras



P


PROJETO BOAS MANEIRAS
Tema da aula:
Bondade:
Contar a história e ao final fazer a dobradura da joaninha e da sombrinha dela.
Dobradura da joaninha: dois círculos vermelhos dobrados ao meio serão as unhas. Desenhar os detalhes: anteninhas, perninhas e bolinhas das asas.
Dobradura da sombrinha fechada: dobrar um círculo 2 ou 3 vezes. Colar no papel com a ponta para baixo e desenhar o cabo da sombrinha e a ponteira com lápis de cor.
Dona Joaninha e as abelhas
Era uma vez um lindo jardim onde moravam muitos insetos: abelhas, mosquitos, besouros, joaninhas, borboletas, etc.
Todos viviam em suas casas muito felizes.
Havia nesse jardim a casa de uma família onde ninguém parava de trabalhar. Era a casa das abelhas.
Dona Joaninha, que morava numa linda folha de árvore, não se cansava de admirar o vai-e-vem constante de suas amigas.

Numa linda manhã, Dona Joaninha colocou sua roupa nova, abriu sua sombrinha para proteger-se do sol e saiu para seu passeio por entre as flores.
Encontrou uma abelha pousada em uma flor e começaram a conversar.
-Como você está apressada Dona Abelha! Vamos conversar um pouco?
-Não posso, disse a Abelha, tenho que levar o néctar dessa flor para fabricar o mel.
-Mel? Perguntou a Joaninha.
-É sim, disse a Abelha, nós recolhemos o néctar das flores, levamos para a nossa casa que é a colméia e lá fabricamos o mel.
-Muito interessante, disse a Joaninha, quanto mais você fala nesse mel, mais vai me dando uma vontade de experimentar!
-Bem, não seja por isso, Dona Joaninha!
Vamos até a colméia e lhe darei um pouquinho de mel.
Assim as duas amigas voaram até a colméia.
Lá chegando, logo perceberam que a Joaninha não tinha onde carregar o mel. Rapidamente a Abelha disse:
-Vire sua sombrinha e eu colocarei um pouco aí dentro.
Assim fazendo, Dona Joaninha recolheu o mel na sombrinha, sentou-se debaixo de uma árvore e começou a saborear o delicioso alimento produzido pelas abelhas.
E como ela não era gulosa, guardou um pouco para comer nos dias seguintes, como sobremesa.
Amizade
OBJETIVO GERAL: Nos não vivemos sozinhos. Além das pessoas da nossa família existem outras que merecem nosso carinho e amizade.
OBJETIVOS ESPECIFICOS: Dizer quem são nossos amigos e como devemos tratá-los.
INCENTIVO INICIAL: Levar umas pequenas cartas que contenha figuras de animais invertebrados, principalmente insetos como besouro, joaninha, gafanhoto, etc.; para que os alunos saibam diferencia-los e dizer que são quase todos da mesma família porque soam parecidos.


DESENVOLVIMENTO DA AULA: Dizer aos alunos que alem de nossa família existe crianças que brincam juntas na rua ou que freqüentam a mesma escola, que convivem conosco. Estes são nossos amigos e devemos sempre trata-los com boas maneiras, com carinho, fazer pequenos favores e não brigar.
Narrar a historia: O Besouro invejoso
SUGESTAO DE ATIVIDADES: Pintura e colagem.
O BESOURO INVEJOSO
Vocês já foram passear na roça? Vocês já viram que a noite, em alguns lugares escuros há um bichinho que tem luz muito bonita? Ah! E o vaga-lume.
Pois bem, da janela de sua toca, o besouro fungava aborrecido, olhando a lanterna verde que o vaga-lume acabara de acender. Quanto brilhava! Parecia uma pequenina estrela caída do céu. Tão linda!
O besouro era assim. Sempre queria ser igual aos amigos, aos vizinhos, aos parentes. Quando o gafanhoto comprou uma casaca verde e apareceu todo bonito na festa dos bichinhos, ele ficou de boca aberta – querendo ser como o gafanhoto.
Voltou para casa aborrecido e tristonho.
O que aconteceu – perguntou-lhe a mulher. Ele não respondeu e foi dormir todo zangado.
O mesmo aconteceu quando ele ouviu o canarinho cantando.
Que voz linda. – pensava ele. – E eu não sou capaz de fazer um assobio.
E assim, sempre querendo ser como os outros, era um besouro triste.
Mas, o que mais irritava mesmo era o vaga-lume, pois, pensava ele:
O vaga-lume não e um bichinho como eu? Por que tem ele aquela lanterna verde tão bonita e eu não tenho?
De tanto se aborrecer com isso, o besouro resolveu abandonar tudo e ir morar sozinho na floresta. Mas ele ia tão afobado, tão raivoso, que não vendo os galhos secos de uma árvore, estes lhe feriram os olhos.
Ah! Que dor nos lhos! Quase não vejo nada... Como poderei caminhar?
E ficou parado por instantes quando ouviu uma vozinha:
Que bichinho bonito, como ele tem as patas bem feitas. São tão bonitinhas as sua patas! Como e o seu nome?
Mas, o besouro com olhinhos machucados não viu a formiga e como a formiga havia falado em bichinho bonito, ele não pensou que fosse com ele.
Fale o seu nome, eu sou a formiguinha.
Esta falando comigo? Eu me chamo besouro. Machuquei os olhos nestes galhos.
Espere um pouco, vou buscar água fresquinha para banhá-lo e num instante ficara bom.
Enquanto ele esperava, ouviu outra voz:
Que bichinho interessante! Tão bonitinho! Eel tem o corps covert poor puma cape pretax!
Isso não e capa preta, são minhas asas...
Ah! Você tem asas! Pode voar. Oh! Como você e feliz!
Enquanto isso, a formiguinha já tinha chegado. Lavou os olhos do besouro, pôs uma pomadinha e ele passou a enxergar bem. Pode ver, então, que quem falava com ele era a minhoca. E olhando ao seu redor viu tantos bichinhos... uns pequenos, outros rastejando pelo chão, e, apesar de tudo viviam felizes.
Começou a pensar... olhou para as sua patinhas... tão bem feitas. Olhou para suas asas fortes... sem elas nunca poderia voar. E tão depressa...
E o besouro continuou pensando: - Estes bichinhos não têm nada disso e vivem contentes, nem ficam irritados por não serem como eu sou... Ah! Eu também vou procurar viver alegre com o que eu tenho e não ficarei mais triste com a beleza do vaga-lume, nem de bicho algum.
Gratidão (aceitar as coisas que nos apresentam):
Nina a tartaruguinha.
Nina estava triste. Por causa de sua casca não podia brincar com os coelhinhos.
Fez força e saiu da casca. Saiu pulando contente!
Mergulhou no lago, mas veio um peixe e mordeu seu rabinho. Ela deu um pulo para fora do lago e caiu bem em cima de um porco espinho...

Estava toda molhada! Sentiu frio e entrou em um sapato velho para se aquecer.

Veio a chuva e o sapato encharcou. Nina sentiu saudade de sua casca. saiu a procura mas... tinha um gato morando lá.

__ Ei essa é minha casca, disse a tartaruguinha.

O gato se assustou e caiu com as pernas para cima, não conseguindo desvirar, saiu correndo e abandonou a casca da tartaruguinha alí mesmo.
Nina entrou de novo na casca e falou que nunca mais queria sair dali.
Fraternidade (sei repartir o que me pertence).
OBJETIVO: A criança deverá se sensibilizar para adotar atitudes generosas, pois a fraternidade com lei universal, é virtude que devemos cultivar.
Incentivação Inicial
Apresentando a figura em forma de fantoche de vareta, conversar com as crianças:
- Vocês sabem quem é esta menininha? É a Joaninha. Ela tem 4 anos. Hoje ela está triste, triste. Quem quer perguntar por que ela está chorando? (Se nenhuma criança perguntar sozinha, pedir que todos perguntem juntos:
Por que você esta chorando Joaninha?) colocando o fantoche à frente do rosto responde: Porque a Maria Helena não gosta de mim.
Vamos ouvir a estória da Joaninha e da Maria Helena?
Joaninha era uma menina que morava numa casinha lá no alto do morro, e sua mamãe – D.Maria era lavadeira. Ela lavava roupas nas casas dos outros para ganhar dinheiro e comprar comida.
Um dia D. Maria saiu para trabalhar e levou Joaninha.
Ela ia lavar roupa na casa do Dr. Arnaldo, que morava numa casa muito bonita, lá no centro da cidade.
Quando D.Maria chegou, Maria Helena – filha do Dr. Arnaldo estava passeando com um carrinho de boneca no jardim.
- que linda a sua bonequinha, posso pegar? Perguntou Joaninha.
- Ah, não! Está é a minha boneca nova, só eu posso brincar com ela.
- Vem cá Joaninha – falou D. Teresa, a mãe de Maria Helena.
– eu tenho umas balas muito gostosas que guardei para você. Sabia que eu gosto muito de você.
O dia passou. À tardinha D.Maria e Joaninha foram embora.
Na hora de sair, Joaninha deu adeus para a Maria Helena, sorrindo.
Mas a menina que estava na janela com a mãe, virou o rosto e não respondeu.
Só D.Teresa, acenou com a mão, falando bem alto:
- Até amanhã, Joaninha! Até manha D.Maria:
D.Teresa olhando triste para a filha, falou:
- Você foi indelicada com aquela menininha, Maria Helena. Ela é tão boa! Ela gostou tanto da sua bonequinha e você não a deixou pegar nem um pouquinho! E ela tem um coração muito grande que cabe todo mundo. E o seu, minha filha é pequenino, pequenino...que não cabe nem uma amiguinha.
Passou-se o tempo.
Maria Helena um dia ficou doente, muito fraquinha, sem conseguir andar. Não podia sair de casa e tinha que ficar o dia inteirinho na cama ela estava muito triste e queria tanto uma amiga para brincar. Então que surpresa!...Paradinha na porta, com vergonha de entrar, Joaninha perguntou:
- Você quer que eu brinque com você Maria Helena?
- Ah, que bom que você veio, Joaninha! Eu pedi a D.Maria para trazer você. Vamos brincar de casinha aqui na cama? Você vai trazendo os brinquedos para nós.
E as meninas brincaram o dia inteiro. Na hora de despedir, Maria Helena, bem pertinho de Joaninha, lhe falou:
- Você é a minha melhor amiguinha, por causa do seu coração tão bom!
Eu também quero ter um coração bonito assim como o seu! Agora feche os olhos que eu tenho uma surpresa para você.
E assim dizendo, Maria Helena colocou nas mãos de Joaninha a boneca nova. É para toda vida. Pode levar e amanhã bem cedinho volta pra gente brincar?
- Esta boneca é para mim? Está bem novinha muito obrigada, respondeu Joaninha.
E as duas amigas se abraçaram, muitos alegres.
D.Teresa e D. Maria também estavam felizes, vendo como eram tão amiguinhas suas filhinhas queridas!
Fixação: - Distribuir para cada criança as figuras de Joaninha e pedir que eles pintem ou façam colagem em seu cabelinho. Distribuir para cada criança a figura da boneca em cartolina, para colagem dos braços de Joaninha.

Você poderá ainda preparar a boneca com corpo de bala para repartir com as crianças, lembrando mais uma vez a atitude fraternal da menina.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Dinâmica para reunião de pais


Jogo das bexigas


Distribua entre os pais uma bexiga para cada um. Cada qual deverá encher a sua bexiga.
Em seguida pedir para que todos fiquem de pé e que formem um grande círculo. Cada um deverá manter-se em movimento, andando pelo espaço feito pelo círculo não devendo se afastar do grupo. Deverá manter sua bexiga no ar dando tapinhas. Não poderá deixa-la cair no chão. Caso isso aconteça, deverá pegá-la e colocá-la novamente no ar.
O Professor já deve deixar combinado antes do jogo começar que irá tocar nas costas dos participantes e que esse ao ser tocado, deverá se afastar do grupo deixando a bexiga.
Com isso, ficarão cada vez mais bexigas e cada vez menos participantes, e os que continuarem no jogo, deverão se esforçar ao máximo para manter todas as bexigas no ar.
Vai chegar um determinado momento que isso não será mais possível por mais que os participantes que restaram, se esforcem.

Objetivo da dinâmica: A importância do dividir tarefas. Se cada um fizer a sua parte, ninguém fica sobrecarregado. Mostrar a importância da participação dos pais no processo ensino-aprendizagem do seu filho

lembrancinhas de reunião de pais














domingo, 11 de novembro de 2012

BERÇÁRIO I e BERÇÁRIO II 6 MESES A 1 ANO E MEIO



BERÇÁRIO I e BERÇÁRIO II (6 MESES A 1 ANO E MEIO)
LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
1
Distinguir a entonação do professor quando ele conta histórias e quando se comunica em situações cotidianas.
2
Acompanhar verbalmente contos de repetição a partir das narrações do professor.
3
Narrar trechos de histórias utilizando recursos expressivos próprios/ sugerido somente para o B II
4
Acompanhar a cantoria de parlendas, cantigas ou brincadeiras cantadas.
5
Expressar-se corporalmente, emitindo sonorizações, vocalizando com o apoio do professor.
6
Reconhecer e recitar parlendas e outros textos/ sugerido somente para o B II
7
Organizar seus balbucios em expressões que podem ser compreendidas por qualquer falante de sua língua.
8
Participar de situações coletivas de comunicação, ainda que não seja uma roda de conversa.
9
Expressar-se oralmente com ajuda do professor.
10
Expressar seus desejos, sentimentos por meio de gestos e balbucios.
11
Organizar oralmente as etapas de uma instrução, como seguir uma receita ou regras.

CONHECIMENTO MATEMÁTICO
12
Envolver os números em diferentes usos e funções.
13
Participar de experiências em que o número tenha a função de memória de quantidade.
14
Comparar quantidades com a ajuda do professor.
15
Reconhecer o espaço e sua representação a partir de diferentes pontos de referência.
16
Recitar a série numérica oralmente.
17
Noções de direção e posição, brincadeiras com o corpo.

Aprender a deslocar-se ou deslocar objetos no espaço.

Procurar objetos ou pessoas escondidas em diferentes lugares.

Manipular objetos de diferentes formatos e utilizar o conhecimento de suas propriedades para explorá- los com maior intencionalidade.

Manipular objetos variados de várias maneiras.

NATUREZA E SOCIEDADE
18
Explorar texturas e algumas propriedades simples dos materiais como, por exemplo, a temperatura e consistência.
19
Iniciar pequenas explorações com alimentos, objetos e cheiros que ampliam suas experiências com sensações visuais, auditivas, gustativas e olfativas.
20
Observar reações de causa e efeito se for estimuladas a agir sobre objetos para ver como eles reagem.
21
Reconhecer a si pelo próprio nome, assim como seus pais e amigos e os diferentes adultos que têm contato direto na escola.

LINGUAGEM MUSICAL
22
Perceber os sons do ambiente e a reagir a sons e músicas.
23
Reconhecer suas músicas preferidas acompanhando- as por meio de movimento corporal.
24
Produzir sons batendo, sacudindo, chacoalhando, objetos sonoros e instrumentos musicais diversos, usando o próprio corpo e a voz.
25
Explorar as qualidades sonoras (intensidade,duração, timbre,altura) de objetos e instrumentos musicais diversos, mesmo sem reconhecê-las convencionalmente.
26
Explorar as possibilidades expressivas da própria voz.

MOVIMENTO
27
Imitar os gestos, movimentos e expressões das outras, adultos ou personagens de histórias diversas que forem lidas, contadas ou dramatizadas pelo professor.
28
Utilizar recursos expressivos da voz( entonações) e da expressão corporal.
29
Vestir fantasias, adereços e máscaras, usar algum tipo de maquiagem e brincar de ser coisas diferentes, utilizando elementos da linguagem teatral.
30
Apreciar o teatro de bonecos e fantoches, teatro feito com sombras e as manifestações teatrais com animação de objetos.

EXPERIÊNCIAS DE EXPLORAÇÃO DA LINGUAGEM CORPORAL
31
Explorar com progressiva autonomia, presteza e confiança os diferentes desafios oferecidos pelo espaço para além do berço
32
Manipular e explorar diferentes objetos, utilizando-se dos movimentos básicos tais como: pegar, largar, etc.
33
Explorar desafios maiores oferecidos por meio de movimentos coordenados rudimentares e básicos.
34
Explorar e manipular objetos de diferentes características (formas, pesos, texturas, tamanhos, etc.).
35
Familializar-se com a própria imagem corporal.
36
Discriminar o que se refere ás sensações e percepções.
37
Imitar diferentes expressões faciais.
38
Participar de brincadeiras e danças.
39
Movimentar-se ritmicamente ao som de músicas de diferentes gêneros.
40
Interagir com um número diversificado de parceiros.
41
Imitar posturas corporais, gestos e falas dos parceiros, reproduzindo-os em outras situações.

DESENHO – ARTES VISUAIS
42
Observar outras crianças desenhando e marcar suportes com suas garatujas básicas.
43
Utilizar diferentes ferramentas, suportes e materiais e diferentes posições espaciais e corporais para desenhar.
44
Explorar diversas possibilidades de traçar garatujas.

ESPACIALIDADES
45
Explorar as relações de peso, tamanho, volume e direção das formas tridimensionais.
46
Explorar espaços bidimensionais e tridimensionais utilizando materiais e ferramentas diferentes e construir conhecimentos sobre o equilíbrio das formas, pesos e tamanhos dos diferentes objetos que compõem seus primeiros jogos.
47
Explorar suficientemente o espaço de seu entorno e movimentar-se nele autonomia e independência.

A EXPERIÊNCIA DA COR
48
Observar as transformações das cores nas misturas de composições não tóxicas, mais especificamente sucos, mingaus, gelatinas, etc.
49
Experimentar e articular visualmente as diferentes relações de claro e escuro na natureza e nos meios artificiais, como a pintura, a fotografia, o cinema, etc.
50
Usar diferentes materiais e ferramentas na exploração de objetos e fenômenos que envolvam a ocorrência das cores.
51
Explorar massas de cor e alterar sua aparência ou sensação tátil.

A CURIOSIDADE E A CRIATIVIDADE VISUAL
52
Observar e explorar os ambientes internos e externos de seu entorno onde podem ter acesso a diferentes manifestações no campo visual.
53
No contato com um ambiente visual voltado ao desenvolvimento de sua criatividade, as crianças podem reconhecer sua marca gráfica entre as produções de outras crianças.
54
Apontar sua produção entre as expostas na sala ou na roda de observação das produções do grupo.

EXPERIÊNCIAS VOLTADAS AO CONHECIMENTO E CUIDADO DE SI, DO OUTRO, DO AMBIENTE
55
Reconhecer as pessoas que lhe cuidam e a localizar-se no ambiente.
56
Interagir com outras pessoas em situações variadas.
57
Compreender e responder a entonações de voz, expressões faciais e corporais.
58
Aprender a lidar com seus sentimentos ajudados pelo professor.
59
Valorizar sobre a importância do outro.
60
Desenvolver o sentimento de bem estar, vestir-se, pentear-se, comer e higiene.
CUIDAR DE SI
61
Apropriar-se de hábitos regulares de higiene pessoal.
62
Usar corretamente os materiais necessários para sua higiene.
63
Perceber a vontade de ir ao banheiro e controle de suas necessidades fisiológicas.
64
Executar movimentos colaborativos ao vestir-se ou desnudar- se.
65
Comer sem ajuda, usar talheres adequadamente e conversar com colegas na mesa.
66
Valorizar o contato com a natureza
67
Reconhecer situações de perigo e tom
3ar precauções para evitá-las
68
Explorar espaços e praticar ações físicas.
69
Identificar produtos que não devem ser ingeridos.
APRENDER A RELACIONAR-SE
70
Brincar com os colegas e com eles criar um mundo de fantasias.
71
Partilhar jogos de regras ou brincadeiras tradicionais.
72
Fazer amigos, negociar significados e decisões.
73
Partilhar sentimentos e combater preconceitos.
74
Internalizar regras para conviver em grupo.
75
Saber cooperar em diferentes tarefas.
76
Conhecer suas limitações e possibilidades
77
Perceber que agressões podem provocar danos ou dor em outra criança.
78
Desenvolver atitudes de solidariedade em relação aos parceiros.
79
Partilhar com outras crianças conhecimentos e a identidade do grupo.
SABER DE SI
80
Aprender a familializar-se com a própria imagem.
81
Expressar- se corporalmente e verbalmente.
82
Reconhecer sensações produzidas por diferentes estados fisiológicos e comunicar ao professor.
83
Solicitar aconchego em situações cotidianas.
84
Conhecer seus recursos e limitações pessoais em determinadas situações
85
Identificar elementos que lhe provocam medo e buscar ajuda para superá- lo.
86
Reconhecer alguns elementos da sua identidade cultural, regional e familiar.
CUIDAR DO AMBIENTE
87
Guardar brinquedos e materiais nos devidos lugares depois de utilizá-los nas atividades.
88
Cuidar do entorno próximo e ter iniciativa de limpar o que está sujo.
89
Saber usar a água e energia elétrica sem desperdiçá-la.
90
Adquirir noções de cuidados e riscos ambientais.

EXPERIÊNCIA DE BRINCAR E IMAGINAR
91
Aprender a brincar com as professoras de esconder.
92
Procurar e achar objetos que forem escondidos.
93
Aprender a encaixar peças e empilhar cubos.
94
Participar com os colegas de brincadeiras de roda.
95
Participar de cirandas e brincadeiras de roda, cantando e fazendo gestos.
96
Reproduzir situações cotidianas no faz- de- conta mediado por objetos e indumentárias.
97
Aprender a brincar com marionetes reproduzindo falas simples de personagens que memorizaram ou que inventaram.
98
Construir com o auxílio do professor brinquedos de sucatas.
99
Bater com as mãos sobre uma superfície, entrar e sair de espaços pequenos.
100
Imitar gestos e cantos do professor e dos colegas.
101
Usar objetos de um modo inusitado e em substituição de outros
EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL
PRÉ FASE I E PRÉ FASE II (ANTIGO JARDIM I E JARDIM II)
LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
1
Identificar a escrita do próprio nome.
2
Reconhecer e nomear as letras de seu nome.
3
Diferenciar a narrativa oral e a leitura de histórias.
4
Reconhecer a semelhança gráfica entre inicial de seu nome e as demais dos seus colegas que também possuem a mesma letra.
5
Arriscar escrever o nome nas situações em que se faz necessário.
6
Reapresentar contos de repetição apoiadas no livro.
8
Identificar parlendas, quadrinhas, adivinhas e outros textos de tradição oral apresentados pelo professor.
9
Reconhecer e utilizar com mais freqüência textos com convites, a agenda do dia, comunicados e listas.
10
Localizar palavras num texto que já sabem de memória.
12
Conquistar a escrita do nome próprio com total autonomia.
13
Ler e escrever os nomes dos colegas, ainda que não convencionalmente.
14
Escutar a leitura de histórias e emitir comentários pessoais e opinativos sobre o texto lido.
15
Conhecer amplo repertório de contos desde os tradicionais de fadas, até os populares brasileiros e de outras culturas.
16
Manifestar oralmente suas preferências literárias e argumentar.
17
Acompanhar a leitura de histórias feita pelo professor.
18
Reconhecer e usar rimas em suas brincadeiras, espontaneamente, acionando os textos da tradição oral de memória, ou identificando e acompanhando a leitura do professor.
19
Reconhecer repertório de contos de repetição lidos pelo professor.
20
Acompanhar oralmente passagens das histórias de repetição com apoio de imagens.
21
Conhecer os diferentes usos dos livros.
22
Utilizar elementos da linguagem que se escreve no reconto de narrativas.
23
Explicar fatos e fenômenos sociais.
24
Manifestar opiniões concordar ou discordar da opinião dos outros.
25
Participar de espaços de conversa coletiva, apoiando-se não apenas na fala completar do professor, mas também em sua memória e em seus próprios recursos expressivos.
26
Escutar atentamente o que os colegas falam em uma roda de conversa.
27
Relatar fatos que compõem episódios cotidianos.
28
Argumentar a respeito de um assunto sobre o qual o grupo conversa.
29
Formalizar oralmente instruções específicas: regras de jogos, receitas, procedimentos específicos, etc.
30
Brincar com as palavras e letras do alfabeto.
31
Produzir seus próprios textos( bilhetes, listas, etc.) ainda que não convencionalmente.
32
Usar a escrita para seguir instruções ou instruir.

Utilizar conhecimentos sobre o sistema para localizar um nome específico numa lista de palavras do mesmo campo semântico.
33
Diferenciar publicações tais como: jornais, cartazes, folhetos, textos publicitários.
34
Fazer uso de procedimentos básicos com leitura de um livro, virar páginas sucessivamente, etc.

Explorar e reconhecer as letras do alfabeto em várias situações comunicativas e textuais.

MATEMÁTICA
35
Explorar as notações numéricas em diferentes contextos.
36
Enriquecer suas brincadeiras de faz-de-conta com materiais que convidem a pensar sobre os números.
37
Deslocar a si ou objetos no espaço.
38
Explorar o espaço com maior intencionalidade.
39
Participar de brincadeiras cujo desafio seja definir trajetos a partir de pontos de partida e de chegada.
40
Ordenar diferentes objetos da mesma classe.
41
Identificar a passagem do tempo apoiadas no calendário.
42
Identificar notas e moedas do sistema monetário.
43
Escrever números que ainda não aprenderam a escrever de memória.
44
Separar os objetos contados dos não contados.
45
Sincronizar gesto e o recitado da série numérica sem pular os objetos
46
Identificar algumas figuras geométricas.
47
Saber dizer o número sucessor e antecessor
48
Estabelecer critérios para comparar e ordenar.



Desenvolver noção de quantidade e sua representação numérica.
NATUREZA E SOCIEDADE
49
Conhecer o próprio corpo, nomear algumas partes do mesmo e observar seu crescimento.
50
Comparar e entender as diferenças entre meninos e meninas e entre os próprios meninos e entre as meninas.
51
Estabelecer relações de causa- efeito das mudanças observadas em elementos da natureza.
52
Perceber a complexidade e diversidade das relações humanas e do meio ambiente e ampliar sua capacidade de observação.
53
Observar e significar organizações sociais, hábitos e culturas.
54
Relacionar algumas semelhanças e diferenças com as formas de organização de outras culturas e as formas de adaptação de alguns seres vivos ao meio em que vivem. *
55
Observar fenômenos e elementos da natureza presentes no dia- a- dia.
56
Observar e perceber algumas características do ambiente ao seu entorno.
57
Participar de atividades que envolvam processos de culinária ou confecção de objetos.
58
Estabelecer algumas relações entre o modo de vida característico de seu próprio grupo social e de outros grupos.
59
Conhecer costumes e brincadeiras de outras épocas.


60
Perceber diferenças de forma, cor e gosto.
61
Aprender sobre a transformação de alguns alimentos ou elementos a serem misturados.
62
Considerar o efeito da força exercida sobre um material pela participação em desafios propostos pelo professor.
63
Criar explicações para fenômenos e elementos da natureza presentes no seu dia-a- dia.
64
Observar as construções do lugar onde vive, o local de onde vem a água que consomem.
65
Preservar a natureza.
LINGUAGEM MUSICAL
66
Reconhecer as qualidades sonoras de determinados objetos sonoros e instrumentos musicais.
67
Explorar diferentes maneiras de produzir sons com o próprio corpo.
68
Ampliar seu repertório de músicas e canções, brincadeiras de roda, jogos musicais, parlendas, etc.
69
Manifestar preferências por algumas músicas e canções.
70
Reconhecer o som e saber se possível o nome de alguns instrumentos musicais.
71
Construir alguns instrumentos musicais.
72
Acompanhar a narrativa de histórias usando objetos sonoros e instrumentos musicais.
73
Sonorizar histórias, desenhar o que ouvem.
MOVIMENTO
74
Explorar os diferentes desafios oferecidos pelo espaço por meio de movimentos coordenados básicos.
75
Explorar e orientar-se corporalmente com relação a: em frente, atrás, no alto, em cima, etc.
76
Usar os movimentos básicos de pegar, lançar, encaixar, empilhar, etc.
77
Ter presteza e autonomia na manipulação e exploração de diferentes objetos.
78
Apropriar-se da própria imagem corporal.
79
Discriminar e nomear partes do próprio corpo e do outro.
80
Controlar gradualmente o próprio movimento, ajustando suas habilidades ás diferentes situações das quais participa.
81
Conhecer as potencialidades e limites do próprio corpo.
82
Desenvolver uma atitude positiva com relação a seu corpo e a do outro, assim como prazer ao movimentar-se.
83
Ampliar a consciência corporal em posturas e em movimentos.
84
Nomear as características e funções das diferentes partes do corpo e do outro.
85
Expressar pelo movimento a interação com diferentes parceiros usando gestos, expressões faciais e movimentos corporais, de modo a comunicar-se intencionalmente.
86
Assumir determinadas posturas corporais.
87
Participar de danças de diferentes gêneros e outras expressões da cultura corporal.
88
Dançar ao som de músicas de diferentes gêneros, imitando e coordenando movimentos.
89
Apreciar apresentações de danças de diferentes gêneros e outras expressões da cultura corporal.
90*
Explorar as possibilidades de se expressar, se comunicar, interagir intencionalmente com diferentes parceiros pelo movimento.
91
Criar e reproduzir coreografias individualmente e em grupo.
92
Descrever de como será feito um movimento.
93
Criar um sistema de registro para movimentos, utilizando-o na realização de seqüências de movimentos.
94
Avaliar e interpretar apresentações de dança de diferentes gêneros e outras expressões da cultura corporal, de adultos amadores e profissionais.
95
Criar brincadeiras corporais a partir de repertório apreendido.
96
Resolver problemas ocorridos em um jogo discutindo regras
97
Improvisar situações e personagens usando bonecos, brinquedos e objetos.
ARTES VISUAIS
98
Aprender a fazer contato, observar e interagir com os processos de produção das demais crianças, incluindo as de outras faixas etárias.
99
Ter a oportunidade de contato com a arte através de vídeos livros
100
Usar várias possibilidades de organizar e de classificar seu próprio desenho.

Manipular objetos de diferentes características e propriedades.

Valorizar as produções próprias e alheias.

Conhecer as cores destacando as primárias.


EXPERIÊNCIAS DE BRINCAR E IMAGINAR
101
Ter como experiência a comunicação com os companheiros utilizando- se de sons musicais ou não.
102
Brincar com a sonoridade de palavras, com variações de um gesto, ou de uma postura corporal.
103
Cantar e fazer gestos esperados ao participar de cirandas e brincadeiras de roda.
104
Montar quebra cabeça com ajuda e explicar a um ou mais colegas como se participa de um jogo de regra usando suas palavras e sua forma de entender o jogo e seu funcionamento.
105
Dramatizar um enredo usando bonecos como atores.
106
Dizer aos colegas ou ao professor quais devem ser os personagens, objetos e adereços necessários ao faz-de- conta.
107
Recontar o enredo de um faz – de - conta que realizou com um colega.
108
Brincar de cantar, dançar, desenhar, escrever, jogar futebol, etc.
109
Brincar com marionetes, com destreza na execução e mais prazer em sua execução.
110
Construir brinquedos com sucatas sem necessariamente usar um modelo.

Imitar comportamentos de escritor em suas brincadeiras simbólicas.

A ESCRITA DO PRÓPRIO NOME


1
Identificar a escrita do próprio nome.


2
Reconhecer textos no cotidiano.


LINGUAGEM ORAL


3
Reproduzir os comportamentos, a gestualidade e a postura que o professor adota quando lê para a criança.


4
Reconhecer no livro as histórias que lhe são lidas.


5
Procurar ou pedir ao professor diferentes livros de sua preferência.


6
Reconhecer passagens de histórias a partir das imagens / ilustrações de um livro.



Distinguir a entonação do professor quando ele conta histórias e quando se comunica em situações cotidianas.



Acompanhar verbalmente contos de repetição a partir das narrações do professor.

BRINCAR COM AS PALAVRAS


7
Reconhecer e usar rimas em suas brincadeiras, espontaneamente, acionando os textos da tradição oral de memória, ou identificando e acompanhando a leitura do professor.


SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO INFORMAIS


8
Participar de espaços de conversa coletiva, apoiando- se não apenas na fala complementar do professor, mas também em sua memória e em seus próprios recursos expressivos.


9
Escutar atentamente o que os colegas falam em uma roda de conversa.


10
Participar como falante numa conversa mediada pelo professor.


11
Emitir opiniões pessoais sobre um assunto.


12
Expressar seus desejos, sentimentos e necessidades por meio de gestos.


13
Participar de situações mais coletivas de comunicação, ainda que não seja uma roda de conversa propriamente dita.


14
Organizar oralmente com a ajuda do professor as etapas de uma instrução.


MATEMÁTICA


15



16
Procurar objetos ou pessoas escondidas em diferentes lugares.


17
Manipular objetos de diferentes formatos e utilizar o conhecimento de suas propriedades para explorá- los com maior intencionalidade.


18
Manipular objetos variados de várias maneiras.



Envolver os números em diferentes usos e funções.



Participar de experiências em que o número tenha a função de memória de quantidade.



Comparar quantidade com ou sem a ajuda do professor.



Reconhecer o espaço e sua representação a partir de diferentes pontos de referência.



Recitar a série numérica oralmente.



Noções de direção e posição.



Observar e reconhecer formas



Noções de sequenciação e classificação com diversos objetos e signos.



Identificar a passagem do tempo apoiado no calendário


NATUREZA E SOCIEDADE


19
Aprender a agir sobre objetos e materiais com ajuda do professor, fazendo misturas de água e areia ou modelando a massinha produzida, criando misturas.


20
Pesquisar algumas características físicas.


21
Observar diferenças e semelhanças entre o estado inicial e final dessas misturas.


22
Observar sua imagem refletida no espelho.


23
Observar outras pessoas e comparar algumas de suas características pessoais.


24
Ter familiaridade com formas de organizações sociais.


25
Lidar com regras e combinados.


26
Reconhecer diferenças e semelhanças entre sua organização familiar e a das outras crianças.


27
Identificar seus colegas e outros adultos dos espaços de educação infantil pelo nome.


28
Observar animais em livros, revistas e filmes.


29
Reconhecer sons produzidos pelos animais.


30
Registrar diferentes experiências vivenciadas



Valorizar a natureza, aprendendo hábitos e atitudes de preservação.



Reconhecer e familiarizar-se com as diversas datas comemorativas da Cultura Brasileira.



Desenvolver noções de higiene e saúde.


LINGUAGEM MUSICAL


31
Cantar sozinha ou em grupo, partes ou frases das canções que já conhecem.


32
Participar de brincadeiras musicais.


33
Relacionar a música com a expressão corporal e a dança.


34
Identificar diferentes paisagens sonoras, percebendo suas qualidades.


35
Identificar o silêncio e os sons da natureza.


36
Reconhecer diferentes qualidades dos sons, ainda que não saibam nomeá-las convencionalmente.


37
Apreciar músicas instrumentais e diferentes expressões da cultura musical brasileira, bem como de outras culturas.


38
Reconhecer e demonstrar sua preferência por músicas instrumentais, canções, acalantos, cantigas de roda, parlendas, trava-línguas, mnemônicas, adivinhas,etc.


39
Participar de brincadeiras de roda e jogos musicais.



Produzir sons, batendo, sacudindo, chacoalhando objetos sonoros e instrumentos musicais diverso


MOVIMENTO


40
Explorar diferentes desafios oferecidos pelo espaço por meio de movimentos coordenados básicos.


41
Possuir autonomia para orientar- se corporalmente com relação a frente, atrás, no alto, em cima, etc.


42
Usar os movimentos básicos de pegar, lançar, encaixar, empilhar, etc. com presteza e autonomia na manipulação e exploração de diferentes objetos.


43
Usar os movimentos básicos que aprenderam a dominar, e algumas combinações.


44
Manipular e explorar objetos de diferentes características, formas, pesos, texturas, tamanhos, etc. com maior presteza e autonomia, utilizando- se não apenas dos movimentos básicos como de algumas combinações de movimentos, empurrar e carregar, correr e lançar, etc.


45
Interagir com diferentes parceiros usando movimentos, gestos, expressões faciais, de modo a comunicar- se intencionalmente.


46
Expressar nas brincadeiras determinadas posturas corporais, gestos e falas que delineiam determinados papéis.


47
Participar de danças de diferentes gêneros e outras expressões da cultura corporal.


48
Aprender a dançar ao som de músicas de diferentes gêneros, imitando, criando e coordenando movimentos.


49
Apreciar apresentações de dança de diferentes gêneros e outras expressões da cultura corporal.


50
Assumir um determinado personagem nas brincadeiras cantadas, no jogo simbólico e na teatralização de histórias conhecidas, com utilização ou não de máscaras, fantasias, maquiagem e adereços.


51
Participar de cirandas e brincadeiras de roda, cantando e fazendo os gestos sem precisar ter o professor como modelo.


52
Brincar de esconde e pega, jogar bola com supervisão do professor.


53
Ampliar a imitação de gestos, posturas e vocalizações de modelos (adultos, crianças, animais ou personagens de histórias).


54
Assumir papéis ao reproduzirem situações cotidianas no faz- de- conta mediado por objetos e indumentárias.


55
Imitar as ações de um personagem de uma história lida.


56
Brincar com marionetes reproduzindo falas simples de personagens que memorizem ou que inventem.


57
Construir, com o auxílio do professor, brinquedos com sucatas a partir de modelos.



Apreciar o teatro de bonecos e fantoches, teatro feito com sombra e as manifestações teatrais com animação de objetos.


ARTES VISUAIS


58
Constituir com a ajuda do professor um repertório de imagens de referência.


59
Reconhecer ilustrações de livros, em cartazes fixados na parede, etc.


60
Expressar suas idéias e sensações sobre imagens por meio da fala, do corpo ou de outras experimentações artísticas nas mais variadas linguagens.



Desenvolver coordenação motora fina, rasgando, recortando, amassando e colocando diversos materiais e papéis.


DESENHO


61
Orientar a produção de seus desenhos por conhecimentos tipicamente visuais.


62
Reconhecer seus desenhos, distinguindo - os de outras crianças.



Aprender a pintar com diversos materiais em espaço delimitado.



Utilizar diferentes ferramentas, suportes e matérias em diferentes posições espaciais e corporais para desenhar.


ESPACIALIDADES


63
Explorar relações de peso, tamanho, volume e direção das formas bidimensionais ou tridimensionais ao construir formas planas e volumosas.


64
Expressar sensações a partir da exploração de materiais com texturas diversas e utilizá- los.


65
Experimentar diferentes pesos das formas e as relações de equilíbrio no manuseio de objetos tridimensionais.


A EXPERIÊNCIA COM A COR


66
Usar diferentes materiais e ferramentas para explorar objetos e fenômenos que envolvam diferentes possibilidades de cor.



Experimentar e articular visualmente as diferentes relações de claro e escuro na natureza e nos meios artificiais, como a pintura, a fotografia, o cinema, etc



EXPERIÊNCIAS VOLTADAS AO CONHECIMENTO E CUIDADO DE SI, DO OUTRO, DO AMBIENTE



Reconhecer as pessoas que lhe cuidam e a localizar-se no ambiente.



Interagir com outras pessoas em situações variadas.



Compreender e responder a entonações de voz, expressões faciais e corporais.



Aprender a lidar com seus sentimentos ajudados pelo professor.



Valorizar sobre a importância do outro.



Desenvolver o sentimento de bem estar, vestir-se, pentear-se, comer .






Apropriar-se de hábitos regulares de higiene pessoal.



Usar corretamente os materiais necessários para sua higiene.



Perceber a vontade de ir ao banheiro e controle de suas necessidades fisiológicas.



Executar movimentos autônomos ao vestir-se ou desnudar- se.



Comer sem ajuda, usar talheres adequadamente e conversar com colegas na mesa.



Valorizar o contato com a natureza



Reconhecer situações de perigo e tom
3ar precauções para evitá-las



Explorar espaços e praticar ações físicas.



Identificar produtos que não devem ser ingeridos.






Brincar com os colegas e com eles criar um mundo de fantasias.



Partilhar jogos de regras ou brincadeiras tradicionais.



Fazer amigos, negociar significados e decisões.



Partilhar sentimentos e combater preconceitos.



Internalizar regras para conviver em grupo.



Saber cooperar em diferentes tarefas.



Conhecer suas limitações e possibilidades



Perceber que agressões podem provocar danos ou dor em outra criança.



Desenvolver atitudes de solidariedade em relação aos parceiros.



Partilhar com outras crianças conhecimentos e a identidade do grupo.






Expressar- se corporalmente e verbalmente.



Reconhecer sensações produzidas por diferentes estados fisiológicos e comunicar ao professor.



Solicitar aconchego em situações cotidianas.



Conhecer seus recursos e limitações pessoais em determinadas situações



Identificar elementos que lhe provocam medo e buscar ajuda para superá- lo.



Reconhecer alguns elementos da sua identidade cultural, regional e familiar.






Guardar brinquedos e materiais nos devidos lugares depois de utilizá-los nas atividades.



Cuidar do entorno próximo e ter iniciativa de limpar o que está sujo.



Saber usar a água e energia elétrica sem desperdiçá-la.



Adquirir noções de cuidados e riscos ambientais.







EXPERIÊNCIA DE BRINCAR E IMAGINAR

Aprender a brincar com as professoras de esconder.

Participar de cirandas e brincadeiras de roda, cantando e fazendo gestos.

Reproduzir situações cotidianas no faz- de- conta mediado por objetos e indumentárias.

Aprender a brincar com marionetes reproduzindo falas simples de personagens que memorizaram ou que inventaram.

Construir com o auxílio do professor brinquedos de sucatas.

Imitar gestos e cantos do professor e dos colegas.

Usar objetos de um modo inusitado e em substituição de outros