Pedro Marinheiro


Pedro era um menino muito esperto que adorava aventuras. Certo dia ele resolveu ir passear pela floresta.
Então, ele foi andando, andando e pela floresta ouvia muitos barulhos, mas o que ele mais gostou foi o barulho do vento (balançar a folha fazendo o barulho do vento).

Estava Pedro refrescando-se embaixo de uma árvore quando surgiu uma borboleta voando e lembrou-se desta música: (dobrar a folha ao meio, segurando pela dobra. Abaixar e levantar a mão, fazendo o papel balançar como se fosse asas de borboleta)

“Borboletinha ta na cozinha
Fazendo chocolate para a madrinha.
Poti, poti, perna-de-pau.
Olho de vidro e nariz de pica-pau”.

João gostou muito daquele lugar e achou que seria bem divertido fazer uma casa na árvore e morar por ali mesmo. (dobrar ao meio novamente e colocar ponta com ponta ao meio da marcação dobrada). Ao ver sua casa, lembrou-se da música: 

“ Era uma casa muito engraçada,
Não tinha teto,
Não tinha nada.
Ninguém podia
Entrar nela não
Porque na casa
Não tinha chão.
Ninguém podia
Dormir na rede,
Porque na casa
Não tinha parede.
Ninguém podia
Fazer pipi,
Porque pinico
Não tinha ali.
Mas era feita
Com muito esmero
Na rua dos bobos
Número zero”.
(Música e letra de: Toquinho e Vinícius)

Mas a casa era toda desajeitada! Não daria para João morar nela por muito tempo...

Era melhor João inventar outra brincadeira. Ele gostava muito de brincar de soldado e precisou dobrar só mais um pedacinho, outro pedacinho... E ... O que será que apareceu? Olhem só! Um chapeuzinho do soldado! Joãozinho começou a cantar esta música: 

"Marcha soldado cabeça de papel
Quem não marcha direito vai preso no quartel.
O quartel pegou fogo Francisco deu sinal
Acode, acode, acode a Bandeira Nacional".

Mas o chapéu era muito grande para a cabecinha do João e ele resolveu dobrar mais uma vez, (de um lado, do outro lado).

Surgindo assim um chapeuzinho muito pequeno. João ficou muito aborrecido e tentou faze-lo voltar ao mesmo tamanho, mas não conseguiu.

O que conseguiu foi fazer um... Um barquinho!!!
E o Joãozinho ficou feliz da vida. Correu para a praia que ficava ali por perto. No caminho começou uma chuvinha danada e ele tentou enxugar o barquinho com a camisa. Quando acabou de enxugar, largou a camisa e foi embora. Já estava na praia quando notou que estava sem camisa e logo pensou:

__ Epa! Minha camisa! Onde será que a deixei? Vou levar uma surra da minha mãe! Mas agora eu não vou achá-la mesmo e vou apanhar do mesmo jeito! Então eu vou brincar um pouquinho e depois vou para casa!

Usando sua imaginação embarcou no frágil barquinho que navegou, rapidamente, mar a dentro.

Já estava longe, navegando, quando uma tremenda tempestade começou a jogar o barquinho pra cá e pra lá. Pra lá e pra cá!
Nesse jogo das ondas, o barquinho bateu com a proa (parte da frente do barco) no rochedo, partindo-se. (Rasgar a parte da frente do barquinho).


A tempestade ficou mais forte ainda, continuando a jogar o barquinho que, bateu também com a popa (parte de trás do barco), partindo-se como a proa. (Rasgar a parte de trás do barco).

E o barquinho vira e vai para o fundo do mar, batendo com a ponta da vela que também se parte. Mas o barquinho da vela quebrou de forma redondinha. (Rasgar a pontada vela do barquinho de uma forma redondinha).

E sabem o que aconteceu?
Joãozinho, por causa do cansaço e do calor, havia se abrigado à sombra de uma árvore perto da praia e adormecera. Quando acordou, sua camisa estava ao lado dele.
Onde? Onde está a camisa do Joãozinho? (Abrir a dobradura e surgirá a camisa do menino).

Após a surpresa!!! Que será o surgimento da camiseta, vc pode criar atividades utilizando a camiseta (pintar, decorar), as músicas que aparecem no decorrer da história, recontar a história, mas desta vez através da dramatização, do envolvimento das crianças, expressão corporal... use sua criatividade... sua aula vai brilhar!!

Viseiras de animais (achei em minhas clicadas na web)