quarta-feira, 17 de março de 2010

DINAMICA PARA REUNIÃO DE PAIS


Grupo: Esta dinâmica pode ser utilizada com pais de alunos de várias faixas etárias.
Objetivos: Desenvolver o raciocínio lógico, o sentido reflexivo e crítico, de tal maneira que possam tornar-se cidadãos conscientes de seus deveres e direitos.Comparar diferenças e igualdades.
Tempo: aproximadamente 20 minutos( ou controle para o tempo que tiver)
Local: sala de aula ou uma sala grande.
Material: papel pardo, fita adesiva, música Peixe vivo, papel sulfite, lápis preto e de cor, borracha, giz de cera, tesourinha etc.
Desenvolvimento:
1-Faça o desenho de um aquário do tamanho de um papel pardo e fixe-o na lousa.
2-Coloque a música Peixe vivo para eles ouvirem e peça que cantem juntos...Entregue aos pais um pedaço de papel sulfite (1/4) e peça-lhes que desenhem um peixinho, como desejarem... (coloque à disposição lápis preto e de cor, borracha, giz de cera, tesourinha etc.) e depois recortem.
3-Peça que, assim que terminem, vão à lousa e fixem seu peixinho no aquário.
4-Após todos fixados, peçam para que eles observem o que realizaram e manifestem o que entenderam sobre a atividade. Deixe-os à vontade para falar.Se necessário, conduza a conversa para o lado da moral, da ética, do respeito às diferenças individuais.Pergunte: Todos os peixinhos estão iguais?Por que são diferentes?Porque todos somos diferentes, temos gostos diferentes, habilidades diferentes, conhecimentos diferentes.Todos os peixinhos estão indo para mesmo lado? Por quê?Porque temos objetivos, metas e sonhos diferentes, caminhamos por caminhos diferentes, viemos de famílias diferentes etc.Mas, apesar de todas essas diferenças, todos são iguais nas suas necessidades de sobrevivência.Como podemos transferir essas idéias para a vida escolar?O que o aquário representa?Quem são os peixinhos?Como convivermos, sabendo lidar com essas diferenças, em casa e na escola?E assim por diante, de acordo com o retorno dos pais.

Conclusão:As dinâmicas na sala de aula têm uma boa aceitação por parte dos pais e facilitam muito a relação escola-pais.

Final da reunião:Não finalize a reunião sem antes perguntar aos pais se eles têm alguma sugestão para melhorar a escola e como podem fazê-lo.Agradeça a participação e se possível não os deixe sair sem uma pequena lembrança desse dia.

PAIS MAUS
(Dr. Carlos Hecktheuer)

Um dia, quando os meus filhos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva os pais e mães, eu hei de dizer-lhes:
Eu vos amei o suficiente para lhes ter perguntado aonde iam, com quem iam e a que horas regressariam.
Eu vos amei o suficiente para não ter ficado em silêncio e ter feito com que eles soubessem que aquele novo amigo não era boa companhia.
Eu vos amei o suficiente para lhes ter feito pagar pelos rebuçados que tiraram do
supermercado ou pelas revistas do jornaleiro e dizerem ao dono: “Nós tiramos isto ontem e queríamos pagar”.
Eu vos amei o suficiente para ter ficado em pé, junto deles, duas horas, enquanto
limpavam seus quartos, tarefa que eu teria feito em 15 minutos.
Eu vos amei o suficiente para lhes deixar ver, além do amor que eu sentia por eles o desapontamento e, também, as lágrimas nos meus olhos.
Eu vos amei o suficiente para lhes deixar assumir a responsabilidade das suas ações, mesmo quando as penalidades eram tão duras que me partiam o coração.
Mais do que tudo, eu vos amei o suficiente para lhes dizer NÃO, quando eu sabia que eles poderiam me odiar por isso (e em alguns momentos até odiaram).
Estas, foram as mais difíceis batalhas travadas. Estou contente. Venci... Porque, no final, eles venceram também!
E qualquer dia, quando os meus netos forem crescidos o suficiente para entender a lógica que motiva os pais e as mães e lhes perguntarem se os seus pais eram maus, os meus filhos vão lhes dizer:
Sim, os nossos pais eram maus. Eram os piores do mundo... As outras crianças comiam doces no café e nós tínhamos que comer cereais, ovos, torradas. As outras crianças bebiam refrigerantes e comiam batatas fritas e sorvetes ao almoço e nós tínhamos que comer arroz, feijão,carne, legumes e frutas. Nossos pais tinham que saber quem eram os nossos amigos e o que nósfazíamos com eles.
Insistiam que lhes disséssemos com quem íamos sair, mesmo que demorássemos apenas uma hora ou menos.
Nossos pais insistiam sempre conosco para que lhes disséssemos sempre a verdade e simplesmente, apenas a verdade. E, quando éramos adolescentes, eles conseguiam até ler os nossos pensamentos. A nossa vida era mesmo chata!
Nossos pais não deixavam os nossos amigos tocarem a buzina para que saíssemos; tinham que subir, bater à porta, para que os nossos pais os conhecessem.
Enquanto todos podiam voltar tarde da noite com 12 anos, tivemos que esperar pelo menos 16 para chegar um pouco mais tarde, e aqueles chatos levantavam para saber se a festa foi boa (só para verem como estávamos ao voltar).
Por causa dos nossos pais, nós perdemos imensas experiências na adolescência.
Nenhum de nós esteve envolvido com drogas, em roubo, em atos de vandalismo, em violação de propriedade, nem fomos presos por nenhum crime.
Foi tudo por causa dos nossos pais!
Agora, que já somos adultos, honestos e educados, estamos a fazer o melhor para sermos “PAIS MAUS”, como eles foram.
Acho que este é um dos males do mundo de hoje: não há tantos “maus pais” o suficiente!

*******************************************

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

TUDO O QUE EU REALMENTE PRECISAVA SABER, APRENDI NO JARDIM DE INFÂNCIA


Tudo que eu preciso saber sobre a vida, o que fazer e como ser eu aprendi no Jardim da Infância. A sabedoria não estava no topo da montanha de conhecimento que é a faculdade, mas sim, no alto do monte de areia do Jardim da Infância.
Essas são algumas coisas que eu aprendi:
Dividir tudo.
Ser justo.
Não machucar ninguém.
Colocar as coisas de volta no lugar de onde foram tiradas.
Arrumar a própria bagunça.
Nunca pegar o que não é seu.
Pedir desculpas sempre que machucar alguém.
Lavar as mãos antes das refeições.
Dar descarga.
Leite com bolachas fazem bem para a nossa saúde.
Viver uma vida balanceada: aprender um pouco, pensar um pouco, desenhar um pouco, pintar um pouco, cantar um pouco, dançar um pouco, brincar um pouco e trabalhar um pouco todos os dias.
Tirar uma soneca todas as tardes.
Quando sair na rua olhar: os carros, dar as mãos e ficar junto.

Lembra daquela sementinha de feijão no potinho de Danone? As raízes crescem para baixo e as folhas para cima e ninguém sabe com certeza como ou porque, mas todos nós somos exatamente como ela.

Peixinhos, passarinhos, gatinhos e cachorrinhos e até mesmo a sementinha de feijão no potinho de Danone – todos morrem – assim como nós.

E então lembre-se dos livros do Chapeuzinho Vermelho e das primeiras palavras que você aprendeu. As maiores de todas: Mamãe e Papai.

Tudo que você precisa saber está lá em algum lugar. Regras sobre a vida, o amor, saneamento básico, ecologia, política, igualdade e fraternidade. Pegue qualquer um desses termos e extrapole para sofisticadas palavras da linguagem adulta e então aplique em sua vida familiar, trabalho, governo ou mundo, e tudo continua firme e verdadeiro.

Pense em como o mundo seria melhor se todos nós – o mundo inteiro – tomássemos leite e bolachas as três horas da tarde, todas as tardes, e depois, deitássemos com nossos travesseiros no sofá da sala para uma soneca.

Ou então, se todos os governos tivessem como política básica sempre colocar as coisas de volta no lugar de onde foram tiradas e também sempre arrumar sua próprias bagunças.

E continua verdade, não importa sua idade, quando sair para o mundo: dê as mãos e fique junto.

MENSAGEM PARA REUNIÃO DE PAIS: FLOQUINHOS DE CARINHO


Entregar uma bolinha de algodão colorido para cada participante.

Havia aldeia pequena onde o dinheiro não entrava.
Tudo o que as pessoas compravam, tudo o que era cultivado e produzido por cada um, era trocado.A coisa mais importante, a coisa mais valiosa, era a Amizade.
Quem nada produzia, quem não possuía coisas que pudessem ser trocadas por alimentos, ou utensílio, dava seu CARINHO.
O CARINHO era simbolizado por um floquinho de algodão.
Muitas vezes, era normal que as pessoas trocassem floquinhos de algodão sem querer nada em troca.
As pessoas davam seu CARINHO pois sabiam que receberiam outros num outro momento ou outro dia.
Um dia, uma mulher muito má, que vivia fora da aldeia, convenceu um pequeno garoto a não mais dar seus floquinhos.
Desta forma, ele seria a pessoa mais rica da cidade e teria o que quisesse.
Iludido pelas palavras da malvada, o menino, que era uma das pessoas mais populares e queridas da aldeia, passou a juntar CARINHOS e em pouquíssimo tempo sua casa estava repleta de floquinhos, ficando até difícil de circular dentro dela.
Daí então, quando a cidade já estava praticamente sem floquinhos, as pessoas começaram a guardar o pouco CARINHO que tinham e toda a HARMONIA da cidade desapareceu.
Surgiram a GANÂNCIA, a DESCONFIANÇA, o primeiro ROUBO, o ÓDIO, a DISCÓRDIA, as pessoas se XINGARAM pela primeira vez e passaram a IGNORAR umas as outras na rua.
Como era o mais querido da cidade, o garoto foi a primeiro a sentir-se TRISTE e SOZINHO, o que o fez o menino procurou a velha para perguntar-lhe e dizer-lhe se aquilo fazia parte da riqueza que ele acumularia. Não a encontrando mais, ele tomou uma decisão. Pegou uma grande carriola, colocou todos os seus floquinhos em cima e caminhou por toda a cidade distribuindo aleatoriamente seu CARINHO.
A todos que dava CARINHO, apenas dizia: Obrigado por receber meu carinho.Assim, sem medo de acabar com seus floquinhos, ele distribuiu até o último CARINHO sem receber um só de volta.
Sem que tivesse tempo de sentir-se sozinho e triste novamente, alguém caminhou até ele e lhe deu CARINHO. Um outro fez o mesmo...Mais outro...e outro...até que definitivamente a aldeia voltou ao normal.

Este floquinho que vocês receberam é prova do meu carinho, pois é assim que pretendo conduzir meu trabalho, neste ano de 2010. Neste ano, espero podermos trabalhar juntos, pois quero dividir com você a responsabilidade de educar brincando e aprendendo com responsabilidade.Um grande abraço!

sexta-feira, 5 de março de 2010

Alguns trabalhos em EVA feitos por mim

Pildas
Faniquita
Flau
Forfo
Talento

Entrada da sala (Porta)

Formigueiro
Piriá ( Meus trabalhinhos)
Urso
Smilinguido
Leão


Elefante

Tartaruga

Macaco

Girafa

lindinhos!!!

quinta-feira, 4 de março de 2010