quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Mordida na educação infantil




Ai, não morde que eu não sou pizza!!!
A Mordida na educação infantil


Nos primeiros anos de vida, o principal contato da criança com o mundo exterior,
acontece na forma oral, no primeiro ano,
o ato de sugar o seio que é fonte de alimento e prazer,
é também uma forma de interagir com o mundo (choro/balbucio),
mesmo após os primeiros aprendizados da língua oral,
a criança continua usando a boca, como forma de explorar e descobrir o mundo.
Este ato, se relaciona à fonte de libido, mas não está relacionada ao libido de forma erótica,
mas sim como prazer e exploração do mundo, quando morde,
a criança não busca provocar a dor intencionalmente,
embora o ato de morder seja prazeroso, ela está apenas explorando o meio,
seus limites e o outro. Sigmund Freud (1856-1939),
diz que a criança experimenta o mundo (e o outro) através da forma oral,
para ele, o prazer de morder está relacionado com o uso do instrumento
que a criança melhor domina, a boca. Com isso, a boca vai ganhando novas funções,
da nutrição, vem o choro, para expressar e conseguir mais rapidamente, a atenção que deseja,
após os balbucios e as primeiras palavras, a mordida vem como uma forma rápida
de manifestar o que deseja.
Não há educador que não tenha vivenciado esta fase,
pois embora cause estranheza e medo aos pais
e seja um estresse na rotina diária do professor,
este comportamento não é anormal e encontra suas justificativas,
dentro das características do desenvolvimento infantil.
Segundo D’Andrea, a fase oral é dividida em duas etapas, a de sucção e a de mordida.
Na fase da mordida “há uma tendência a destruir, morder,
triturar o objeto antes de incorporá-lo”.
Essa fase é dividida em duas características principais,
sendo oral receptiva, quando o sujeito não passa por privações,
tornando-se uma pessoa muito generosa e oral agressiva que aparece uma
“tendência a odiar e destruir, a ter ciúmes da atenção que outros recebem
a nunca estar satisfeito com o que tem e a desejar que os outros não tenham algumas coisas,
mesmo que não as queira para si”.

QUANDO A MORDIDA É NORMAL
E QUANDO DEIXA DE SER?


Henri Wallon (1879-1962), diz que a criança está testando os limites do próprio corpo,
ormando sua personalidade individual,
quando morde, ela está elaborando seu “eu corporal”,
ou seja, descobrindo onde acaba seu próprio corpo e onde começa o do outro.
Até os quatro anos, a mordida é considerada normal,
como forma de expressar-se e até lidar com frustrações,
crianças em adaptação na escola ou crianças ciumentas que recebem um coleguinha nov
, podem morder para expressar sentimentos.
A criança ainda não consegue verbalizar seus anseios como,
“estou com ciúmes” ou “quero ir para casa”,
pode fazer uso da mordida para expressar seus medos.
Crianças sensíveis a frustração, quando contrariadas por um colega,
durante uma disputa por brinquedo ou a recusa do educador a permitir que faça algo,
podem morder como forma de expressar raiva.
Após os 3 anos, quando a criança já é capaz de expressar oralmente
o que sente e já entende com clareza que morder provoca dor e machuca,
é preciso buscar uma ajuda especializada,
como forma de controlar este comportamento,caso ele persista.
Ao identificar qual a razão que leva a criança a morder,
cabe ao educador interferir, buscando sanar o problema,
seja dando atenção e um colinho para quem mais precisa,
seja negociando brinquedos e intermediando disputas.



E COMO AGIR?

Seja firme, diga que não foi legal, que o amigo agora está sofrendo e chorando,
pois morder machuca. Não estenda o “sermão”, seja breve;
Leve a criança que mordeu, para prestar atendimento ao colega que foi vítima,
durante este momento, chame a atenção
para o fato do colega estar chateado e com dor;
Algumas crianças que mordem mais frequentemente,
devem permanecer sempre próximas ao educador,
para que o mesmo possa interferir de forma rápida,
evitando novas investidas;
Explique que na boca, mastigamos pizza, bolo, arroz, feijão, que o colega não é comida,
é amigo e devemos acariciar;
Elogie bastante, a cada demonstração de carinho e verbalizações orais;
Converse com os pais, explique como aconteceu,
fique mais atenta para que não se repita,
mas não deixe de orientar que esta ação faz parte do desenvolvimento infantil;
Avise aos pais da criança que mordeu sobre o fato e comunique
os familiares da criança que foi mordida, mas jamais,
divulgue o nome da criança que mordeu,
para evitar a criação de rótulos e até o mal estar entre as famílias;
Em alguns casos, pais de crianças que mordem,
costumam brincar usando a boca e até dando pequenas mordiscadas na criança,
explique que o filho pode estar repetindo o gesto,
mas por não ter noção da sua força, acaba passando dos limites;
Tome bastante cuidado, pois mordida “pega”,
muitas vezes, os familiares da criança mordida ficam tão indignados,
que chegam a recomendar que a criança faça igual ou mesmo,
a própria criança pode achar que
esta é uma forma eficaz de resolver seus conflitos;
Lembre-se: O isolamento não ensina, pois só a convivência vai educar.
Separe a criança do grupo somente quando precisar
prestar atenção em outras coisas como preencher uma agenda ou trocar uma criança,
no restante do tempo “olho vivo e pernas rápidas”;
Aprenda a identificar o contexto no qual a criança costuma reagir mordendo,
desta forma, antecipe-se e fique junto, mediando a relação e orientando
a criança a agir de forma correta;
Não permita que a criança usufrua do brinquedo ou do colinho,
que conquistou na base da mordida, estimule também, o pedido de desculpas;
Se você vai fazer uso de alguma medida punitiva como afastar
a criança do grupo por alguns instantes, antes combine e previna a criança;
Não deixe que criem rótulos como nesta turminha tem "tubarão",
ou fulano é um mordedor, oriente os pais com segurança
desenvolvimento infantil. Antecipe-se ao problema.
Querida Profe, embora estressante e bastante tumultuada,
esta fase é passageira, a criança quando bem amparada e orientada,
aprende a se relacionar da forma correta.
Não esqueça que tudo na vida dos pequenos é constante aprendizado.
Se conduzirmos de forma firme, mas afetiva,
estes comportamentos se transformam em uma relação saudável.
Leia bastante sobre as características da sua faixa etária e observe o seu grupo de crianças,
investigando a ação das crianças e seu comportamento diante de algumas situações do cotidiano,
é possível antecipar a reação dos pequenos, evitando este confronto mais direto.
Crianças que gostam de morder
Morder é uma forma de a criança expressar insatisfação.
Os pais devem conter essa atitude.
Redação Crescer
Você tem um pequeno mordedor em casa, acalme-se.
A mordida é uma das formas que as crianças têm de demonstrar insatisfação.
Também costumam empurrar ou jogar objetos longe.
Isso tudo é esperado em uma fase de comunicação rudimentar,
enquanto a criança não consegue se expressar bem com palavras.
Acrescente-se a isso impulsividade. As emoções ainda não estão sob controle.
E a combinação dá muitas vezes em uma mistura explosiva.
Quando a criança dessa idade quer algo e o objeto desejado está na mão de outro,
ntra em disputa. "Como tem urgência em resolver a questão,
ela reage com a parte do corpo que tem mais coordenação, que é a boca,
região que usa intensamente desde o nascimento",
explica a psicóloga Lúcia Franco da Silva, da Faculdade de Psicologia da PUC-SP.
Falar mil vezes
As dentadas podem começar tanto em casa quanto na escola.
Os pais precisam refrear as mordidas para que não se tornem um hábito.
Além de conter a reação agressiva, os pais precisam ser coerentes.
"Se uma hora deixam porque acham engraçadinho e em outra reprimem,
o filho fica sem saber como agir", alerta Lúcia Franco.
Para a pediatra Sandra Oliveira Campos, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp),
as únicas crianças que se mantêm mordedoras são aquelas com algum
problema no desenvolvimento.
Então, não resta outro jeito senão a repetição das regras.
É cansativo, mas todos só têm a ganhar. "Ao dizer que dói,
por isso o amigo chora, você chama a atenção do filho para um valor muito importante,
que é o respeito pelo outro", orienta a médica.
Agressor e agredido
Os pais dos mordedores costumam ser mais relaxados do que aqueles
que enxergam no corpo do filho dentadas alheias, segundo a pediatra Sandra.
Se você está entre o grupo dos filhos mordidos, também relaxe.
Quando a criança começa a viver em grupo,
acaba descobrindo como se defender e se impor entre os coleguinhas.
E uma hora ela vai avisar ao amigo mordedor que não gostou
e não quer ser mordida de novo. Nunca incentive seu filho a revidar.
"Os pais jamais devem estimular a agressão", ensina Sandra.
FONTE:

Nenhum comentário:

Postar um comentário